Andradina

COXINHA PRANDO AGORA É PRESIDENTE DO PARLAMENTO REGIONAL

Com mandato de dois anos, o atual presidente da Câmara Municipal de Andradina estará a frente do Parlamento Regional e terá uma cadeira no Conselho de Desenvolvimento do estado de São Paulo
Eu reunião online na tarde da última terça feira (9), o presidente da Câmara Municipal de Andradina, Helton Rodrigo Prando, o popular Coxinha (PRTB), foi eleito o 1º presidente do Parlamento Regional, que abrange 12 cidades da região. O vereador representará toda a região junto ao Estado de São Paulo através da secretaria de Desenvolvimento Regional, que tem Marco Vinholi a frente.
O presidente eleito do Parlamento Regional, Coxinha Prando, terá ao seu lado como suplente o também vereador andradinense Guilherme Marques Pugliese (PSDB). A composição do Parlamento Regional ficou composto pelo presidente, Coxinha Prando (Andradina), 1º vice-presidente, Grampola Pantaleão (Mirandópolis), 2º vice-presidente, Milton Marques (Lavínia), 3º vice-presidente, Vanderlei Ferreira (Murutinga do Sul), 4º vice-presidente, Ale Selles (Suzanápolis), secretário Geral, Virgílio Trentin (Pereira Barreto), 1ª secretária, Sara Lisboa (Suzanápolis) e 2ª secretario: Sônia Teixeira (Nova Independência).
Os principais propósitos do Parlamento Regional serão representar os interesses da região, por meio das Câmaras Municipais dos municípios que integram a Unidade Regional da Região de Andradina, promover o desenvolvimento sustentável de toda a Unidade Regional, observando a diversidade cultural de suas populações, garantir a participação da sociedade civil no processo de planejamento para o desenvolvimento social, econômico e político da Região, estimular a formação de uma consciência coletiva de valores cidadãos e comunitários para o desenvolvimento e integração regional, promover a solidariedade e a cooperação regional para a utilização racional do território, dos recursos naturais e culturais e a proteção do meio ambiente e a redução das desigualdades sociais e regionais.
As cidades que compõem o Parlamento Regional e estarão sendo representadas pelo presidente eleito, Coxinha Prando, são: Andradina, Ilha Solteira, Mirandópolis, Pereira Barreto, Castilho, Itapura, Murutinga do Sul, Sud Menucci, Guaraçaí, Lavínia, Nova Independência e Suzanápolis.
O estado de São Paulo tem perspectiva de crescimento próxima a 8%, superior ao previsto para o Brasil. Além de recursos disponíveis para investimentos, tanto na área social como em infraestrutura, a atual gestão tem trabalhado para assegurar um futuro melhor para os paulistas e para o país, tendo em vista que boa parte da riqueza gerada aqui é distribuída para todo país.
“O Projeto de Desenvolvimento Regional do Estado propõe uma nova regionalização, política de Estado, coordenada pela Secretaria de Desenvolvimento Regional, esta política cria mecanismos para a construção de um futuro próspero com a estratégia de organização das Unidades Regionais, disponibilizando instrumentos de Governança Interfederativa e para planejar cada porção do território paulista, conforme as suas peculiaridades socioeconômicas e ambientais.” Citou Coxinha Prando.
Assim será possível reduzir as desigualdades regionais e equilibrar o desenvolvimento em todo o território paulista, otimizando toda a capacidade de infraestrutura estabelecida do Estado, qualificando a mão de obra, conectando e criando ambientes propícios ao empreendedorismo. No contexto da Governança Interfederativa, destacamos a criação dos Parlamentos Regionais.
“Eles serão interlocutores entre os Conselhos de Desenvolvimento e as Câmaras Municipais, tanto para a participação de políticas públicas regionais, como para a atuação legislativa nas Câmaras Municipais, os vereadores participarão deste momento histórico de reconstrução e vão atuar diretamente na vida de todos que foram impactados por esta crise planetária sem precedentes. Citou Marco Vinholi.
Busca-se neste processo, maior integração entre o governo estadual e os municípios, assim como, entre o setor público, privado e a sociedade; além de melhorar a qualidade de vida nos grandes agrupamentos urbanos, ordenar um crescimento sustentável das cidades médias e potencializar as vocações das cidades pequenas para que tenham ampla geração de emprego e renda, evitando a evasão de seus moradores e aumentar as oportunidades à população jovem.
A criação das Unidades Regionais em todo território paulista é uma estratégia para gerir e otimizar a capacidade do Estado instalada para reduzir as desigualdades regionais e equilibrar o desenvolvimento no território paulista. A efetividade desta nova regionalização dependerá não somente do empenho do governo estadual, mas primordialmente, do ritmo que os municípios imprimirem ao funcionamento dos mecanismos da governança, por meio das lideranças políticas, sociais, empresariais, comunitárias e agentes públicos no enfrentamento dos desafi os regionais e dinamização das potencialidades, segundo as vocações de cada Unidade Regional. Sob este aspecto, os vereadores adquirem um papel central neste processo.